Sexta, 19 de Julho de 2024
10°C 25°C
Entre Rios de Minas, MG
Publicidade

“Tudo o que Deus criou é bom”, diz deputado Padre João sobre a maconha

Em entrevista, parlamentar classificou como "hipócrita" a inclusão da planta no rol de drogas criminalizadas

03/07/2024 às 09h13 Atualizada em 04/07/2024 às 09h53
Por: Redação Fonte: O Tempo
Compartilhe:
Reprodução O Tempo
Reprodução O Tempo

O deputado federal Padre João (PT) saiu em defesa da descriminalização da maconha (cannabis sativa) e do cultivo da planta para uso medicinal no país e classificou como “hipócrita” a iniciativa do Congresso Nacional, que analisa uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), de autoria do senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), na qual é proposta a criminalização do porte e a posse de qualquer quantidade do produto e de outras drogas.

“Tudo o que Deus criou é bom. A única criatura que pode ser má é o ser humano, porque ele tem o livre arbítrio. Criminalizar uma droga é uma lógica cruel, perversa, hipócrita. Nenhuma planta é má em si”, declarou o parlamentar, nesta terça-feira (2), em entrevista ao Café com Política, da FM O TEMPO 91,7.

Padre João justificou a preocupação ao afirmar que pesquisas científicas apontam os benefícios do canabidiol – substância química extraída da maconha – no tratamento complementar de doenças como alzheimer e epilepsia, por exemplo. “Nós vamos manter as pessoas sofrendo, sendo que nós sabemos e a ciência prova que a qualidade de vida de uma pessoa com alzheimer é outra (quando ela faz uso do canabidiol)?”, questionou o deputado mineiro. 

 O parlamentar afirmou ainda que tem dialogado com Rodrigo Pacheco na tentativa de retirar a maconha do rol de substâncias que podem ser totalmente criminalizadas por iniciativa do Congresso. “Eu tenho dito a ele que temos que tirar a maconha, porque ela não pode ser considerada como droga. A maconha é um remédio”, classificou. 

STF descriminalizou maconha para uso pessoal

Nessa segunda-feira (1°), o Supremo Tribunal Federal encaminhou ao Congresso Nacional a decisão da Corte que descriminalizou o porte de maconha para uso pessoal e fixou a quantidade de 40 gramas para diferenciar usuários de traficantes.  

Os ofícios foram enviados aos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), além do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski.

O envio é uma formalidade para comunicar aos chefes dos demais poderes o resultado do julgamento, que determinou que a quantidade de 40 gramas deve prevalecer até que o Congresso aprove uma norma sobre a questão. O STF ainda sugeriu ao Executivo a criação de campanhas de prevenção ao uso de drogas e à aplicação de medidas de apoio a usuários.

O procurador-geral da República, Paulo Gonet, chefe do Ministério Público, e os presidentes dos tribunais do país também foram notificados. (Com Agência Brasil)

Entrevista concedida à jornalista Thalita Marinho. Fonte: Jornal O Tempo

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Entre Rios de Minas, MG
24°
Tempo limpo

Mín. 10° Máx. 25°

23° Sensação
3.85km/h Vento
30% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h31 Nascer do sol
05h33 Pôr do sol
Sáb 25° 10°
Dom 26°
Seg 28° 10°
Ter 27° 11°
Qua 27° 10°
Atualizado às 16h02
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,60 +0,86%
Euro
R$ 6,09 +0,73%
Peso Argentino
R$ 0,01 +1,00%
Bitcoin
R$ 397,296,33 +4,92%
Ibovespa
127,616,46 pts -0.03%
Publicidade
Publicidade
Publicidade