Quarta, 19 de Junho de 2024
11°C 26°C
Entre Rios de Minas, MG
Publicidade

Cultura: uma conversa sobre o novo romance do escritor mineiro Michael Maia

Escritor falou sobre a obra “Entre a vida e a morte, há vários documentos”

14/05/2024 às 10h04 Atualizada em 15/05/2024 às 07h44
Por: Redação Fonte: Com.tato - Assessoria de Imprensa
Compartilhe:
Fotos: Agência Com.tato
Fotos: Agência Com.tato

Entrevista | Morte e distopia: uma conversa sobre o novo romance do escritor mineiro Michael Maia

Nascido em Entre Rios de Minas, cidade localizada na Região do Alto Paraopeba, Michael Maia (@maicud), se formou em Jornalismo pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), mas se viu insatisfeito com a área de Comunicação. Escritor de produção rápida, tenta produzir um conto por semana para exercitar a caneta e afinar o lápis.

Para o romance “Entre a vida e a morte, há vários documentos” (editora Paraquedas, 192 pág.), o autor teve duas inspirações claras: o romance “1984”, de George Orwell que retrata uma sociedade totalitária em que o Big Brother tudo sabe e tudo vê, e “As Intermitências da Morte”, romance de José Saramago

O romance retrata a história de um país que legaliza e controla uma nova descoberta: “a droga da morte”. A obra foi lançada no dia 7 de abril, em Belo Horizonte, e pode ser adquirida aqui.

O seu problema ou fascínio é que ela permite que todos tenham uma experiência deslumbrante instantes antes de morrer: rever amigos e parentes falecidos e, até, quem sabe, Deus.

Depois dessa descoberta e de um “Grande Surto” em que uma horda de pessoas decide tirar a própria vida através do uso da droga, o governo regulamenta o uso do narcótico (ou da ciência, dependendo do ponto de vista).

Diante dos impactos disso na sociedade, o livro retrata também como a nova morte impacta diferentemente as diversas classes sociais, abrindo espaço para questionamentos.

Como o governo escolhia quem a merecia ou não? Quem eles estavam tentando matar mais rápido? Por que um prédio de atendimento nunca era visto em bairros mais nobres?

Em seu enredo, o autor traz o casal Luzia e Tânia que, após serem diagnosticadas com um câncer terminal, decidem interromper o tratamento e se candidatarem ao uso da droga.

A obra acompanha o impacto da decisão em seus familiares, principalmente, em Antônio, o irmão mais velho que trabalha justamente na empresa estatal que recebe e regula os pedidos de eutanásia.

Michael formou-se em jornalismo em 2014 pela Universidade Federal de Viçosa e se pós-graduou em Marketing Digital pela PUC.

Porém, após trabalhar na área e sentir certa insatisfação, resolveu aceitar a proposta do pai de administrar os negócios da família: supermercados, ramo em que trabalha desde 2018. A seguir uma entrevista pingue-pongue com o autor.

Por que você escolheu a morte e o luto como principais temas da sua obra?

Em uma viagem intermunicipal estava ouvindo música e imaginei a história de duas pessoas tendo experiências individuais antes de morrer. Pensei que a história poderia ser sobre um casal após tomar uma substância alucinógena, e essa uma experiência boa antes da morte.

Eu iria descrever as duas experiências diferentes uma da outra, mas com um mesmo final, o casal morrendo junto. Então pensei: por que não criar uma história onde uma sociedade convive com a existência de uma droga que permite uma morte feliz? Eu sempre tive medo de morrer e confesso que isso até me deu mais curiosidade em criar esta história, porém para descrever uma sociedade precisei estudar temas de sociologia para que o assunto não fugisse muito ou que eu não criasse algo tão inimaginável.

O que motivou a escrita do livro? Como foi o processo de escrita e quanto tempo levou para escrever o livro?

A ideia apareceu em maio de 2022, criei um rascunho em tópicos no bloco de notas do celular e mandei para minha melhor amiga, que de prontidão disse que dali poderia surgir mais que um conto ou um roteiro para uma história em quadrinhos (que era até uma ideia inicial).

De maio a novembro daquele ano, estudei temas sobre sociedade, morte e suicídio na perspectiva sociológica. Em novembro, ainda estava durante o processo de pesquisa quando recebi a notícia de que uma grande amiga, Rafaela, havia se envolvido em um acidente de carro e perdido a vida (é ela quem dedico o livro junto a várias pessoas que não me despedi).

A morte da Rafa foi um processo um pouco doloroso pois enquanto eu estudava sobre o luto, havia passado por dois temas nos quais eu frequentemente pensava: Quando alguém da nossa idade e proximidade morre, perdemos um pouco de nós, ficamos desorientados principalmente pelo choque de que sim, somos todos finitos, nós podemos morrer também. E o outro que me preocupava, era se o luto poderia virar uma melancolia ou depressão.

Durante o processo de luto pela minha amiga eu fiquei um pouco perdido, abandonei a escrita e fui vivendo a vida no automático, e acho que é um sentimento mútuo entre várias pessoas que passam pelo luto.

Antes do processo de escrita eu criei duas fichas para as personagens principais, Luzia e Antônio, e logo depois criei um roteiro da narrativa contendo o que eu precisava apresentar em cada capítulo. Iniciei a escrita em janeiro de 2023 e terminei em maio do mesmo ano.

Por que você escolheu o gênero adotado?

Sempre gostei de fantasia e temas relacionados com a sociedade, após me aprofundar um pouco nas obras do Saramago me peguei apaixonado por histórias que se passam em mundos diferentes do nosso, mas focadas em contar as relações humanas construídas.

Existe alguma obra ou obras que ajudaram na construção da narrativa?

Dois livros me ajudaram a criar a ideia como um livro de distopia, “1984” do George Orwell por se tratar de uma sociedade em um governo totalitário e “As Intermitências da Morte” de José Saramago, livro que me tocou muito, tanto que o reli em menos de um ano.

É incrível como o Saramago desenvolvia uma escrita, um ensaio, com apenas um “e se?”.

O que esse livro representa para você? Você acredita que a escrita do livro te transformou de alguma forma?

Durante o processo de escrita, passando pelo processo de luto eu tentava ao máximo identificar de onde vinha minha frustração e melancolia, até perceber que certos momentos eu virava o Antônio, personagem do livro. Terminei fazendo do livro como um processo de cura.

Quais são os seus projetos atuais de escrita? O que vem por aí?

Quero trabalhar em um livro de terror-comédia com personagens LGBTs, brincar um pouco com temas da comunidade, puxar um pouco de nostalgia das músicas e vivências dos anos 2010-2015.

Por enquanto estou apenas com a ideia e algumas abas em aberto para as pesquisas, parte que eu mais gostei de fazer durante o processo do "Entre a Vida e a Morte, Há Vários Documentos".

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Entre Rios de Minas - MG
Sobre o município
Entre Rios de Minas é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. Sua população estimada em 2020 era de 15.380 habitantes, e sua área é de 456,796 km². Tem como municípios limítrofes: Casa Grande, Desterro de Entre Rios, Jeceaba, Lagoa Dourada, Queluzito, Resende Costa e São Brás do Suaçuí. Fica a 110 km de Belo Horizonte. Tem como prefeito o Sr. José Walter Resende Aguiar (PSB).
Ver notícias
Entre Rios de Minas, MG
25°
Tempo limpo

Mín. 11° Máx. 26°

24° Sensação
2.43km/h Vento
34% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h31 Nascer do sol
05h23 Pôr do sol
Qui 27° 12°
Sex 27° 12°
Sáb 25° 17°
Dom 28° 14°
Seg 29° 14°
Atualizado às 16h03
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,45 +0,28%
Euro
R$ 5,86 +0,33%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,36%
Bitcoin
R$ 375,395,75 -0,06%
Ibovespa
120,261,34 pts 0.53%
Publicidade
Publicidade
Publicidade